SOMOS MINEIROS.

E ESSE É O MAIOR MOTIVO PARA SEGUIR EM FRENTE.

Video cover

ícone diamante grande A MINERAÇÃO EM MINAS.

A mineração está em nosso nome, em nossas origens, em nossa história.
Está no centro do nosso desenvolvimento.

Em Minas Gerais, a mineração é responsável por:

Gráfico 1
Gráfico 2
Gráfico 3
Gráfico 4 Gráfico 4

Fontes: Registro Anual de Informações Sociais do Ministério da Economia (2017), MDCI, IBRAM, ANM, Fundação João Pinheiro.

ícone stop grande O IMPACTO DA PARALISAÇÃO.

Com o rompimento da barragem em Brumadinho, no dia 25 de janeiro de 2019, uma série de atividades mineradoras foi paralisada no estado, incluindo estruturas com segurança comprovada por laudos técnicos profissionais. A FIEMG realizou um estudo sobre o impacto que essa paralisação representa para o estado. Veja abaixo quais são esses impactos:

No cenário atual, as previsões indicam perda de 104 mil empregos formais na indústria extrativa mineral em Minas Gerais e perda de, aproximadamente, 747 mil empregos formais totais na economia mineira. Vejam os setores mais afetados e a previsão de redução de postos de trabalho em cada um deles:

redução de postos de trabalho por setores (%)

Pizza

Fonte: Descontinuidade Parcial da Atividade de Extração Minerária em Minas Gerais – Impactos Econômicos e Sociais (2019). Gerência de Estudos Econômicos – Sistema FIEMG.

A paralisação parcial da atividade extrativa mineral afeta a produção do setor em Minas Gerais. Veja quantos milhões de toneladas a menos isso representa na produção total do estado, neste e nos próximos 2 anos:

Gráfico

Importantes indicadores econômicos do estado vão sofrer redução caso seja mantido o cenário atual de paralisações. Veja os números:

Tabela

1 - Impactos Totais (indústria extrativa e cadeia de fornecedores)

*frente à projeção inicial para 2019 (3,3%)
**considerando demissões no setor de extração de minério de ferro

No cenário atual, as previsões indicam perda de 104 mil empregos formais na indútria extrativa mineral em Minas Gerais e perda de, aproximadamente, 747 mil empregos formais totais na economia mineira. Vejam os setores mais afetados e a previsão de redução de postos de trabalho em cada um deles:

redução de postos de trabalho por setores (%)

Pizza

Fonte: Descontinuidade Parcial da Atividade de Extração Minerária em Minas Gerais – Impactos Econômicos e Sociais (2019). Gerência de Estudos Econômicos – Sistema FIEMG.

A paralisação parcial da atividade extrativa mineral afeta a produção do setor em Minas Gerais. Veja quantos milhões de toneladas a menos isso representa na produção total do estado, neste e nos próximos 2 anos:

Gráfico

Importantes indicadores econômicos do estado vão sofrer redução caso seja mantido o cenário atual de paralisações. Veja os números:

Tabela

1 - Impactos Totais (indústria extrativa e cadeia de fornecedores)

*frente a projeção inicial para 2019 (3,3%)
**considerando demissões no setor de extração de minério de ferro

Ícone comentário grande AS PROPOSTAS.

Nós acreditamos em uma mineração feita de modo seguro e responsável, capaz de promover o desenvolvimento sustentável do estado. Veja tudo o que já está sendo feito para garantir essa segurança:

NOVA MINERAÇÃO

Fim das barragens com método de alteamento a montante.

Mineração com tratamento a seco e empilhamento de rejeitos e estéril.

Reaproveitamento de bens minerais dispostos em barragem.

Reúso e reaproveitamento da água usada no processo de mineração.

Reaproveitamento dos rejeitos dispostos em barragens como matéria-prima para a fabricação de novos produtos.

Disposição de rejeitos em cavas exauridas utilizando o método de empilhamento drenado.

nova Política Estadual de Segurança de Barragens

Sancionada em 25 de fevereiro de 2019, a Lei 23.291/19 instituiu a Nova Política Estadual de Segurança de Barragens e está sendo considerada a melhor do setor em todo o país. Veja o que essa Lei determina:

Exigência de implementação de caução ambiental.

Plano de segurança como condicionante da Licença de operação.

Plano de segurança da Barragem será sempre atualizado conforme orientações das inspeções periódicas.

Apresentação periódica de declaração de estabilidade da barragem.

Auditoria técnica de segurança anual para barragens de alto potencial de dano ambiental.

Auditorias realizadas por profissionais independentes e especialistas em segurança de barragens, previamente credenciados perante o Sisema.

Exigência de licenciamento ambiental trifásico para barragens.

Exigência de realização de audiência pública antes da análise do pedido da Licença Prévia.

Exigência de estudos comprovando que a técnica escolhida é a melhor opção.

Impossibilidade de alteração do projeto de barragem licenciada, exceto por novo processo de licenciamento ambiental.

Exigência de Plano de Ação de Emergência.

Estabelecimento da Zona de Autossalvamento (de 10km a 25km ao longo do curso do vale; porção do vale possível de ser atingida num prazo de 30 minutos).

Proibição de concessão de licença ambiental para construção, instalação, ampliação ou alteamento para barragens com cenários de rupturas dentro da área de autossalvamento.

Proibição da concessão de licenças para barragens que utilizem o método de alteamento a montante.

Obrigação de descaracterização de barragens inativas com método de alteamento a montante.

Estabelecimento do prazo de 3 anos para descaracterização da barragem alteada pelo método a montante com a mudança para tecnologia alternativa de disposição de rejeitos e resíduos.

Prazo de 90 dias para apresentação de cronograma de cumprimento da Política Estadual de Segurança de Barragens.

Aplicação de penalidades mais rígidas para o descumprimento das normas.

Necessidade de recuperação da área degradada.

As barragens desativadas ou com atividades suspensas somente poderão voltar a operar depois de concluído o processo de licenciamento corretivo.

O descumprimento das normas resulta na imediata suspensão das atividades.

Seminário Técnico Internacional sobre Barragens de Rejeitos e o Futuro da Mineração em Minas Gerais.

No dia 17 de abril de 2019, foi realizado em Nova Lima, MG, o Seminário Técnico Internacional sobre Barragens de Rejeitos e o Futuro da Mineração em Minas Gerais. Promovido pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), com apoio do Governo de Minas, da Fundação Dom Cabral (FDC) e da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), o evento reuniu participantes do poder público e especialistas em mineração do Brasil e de outros países para debater a segurança e a sustentabilidade da atividade mineradora no estado.

Acompanhe abaixo o que foi debatido durante o evento:

VÍDEOS

FOTOS

Clique e veja mais

COBERTURA